O poder do Reiki

Reiki é uma técnica japonesa para redução do estresse e relaxamento que promove a cura. É transmitido através da “imposição de mãos” e baseia-se na ideia de que uma “energia vital” invisível flui através de nós e é o que nos faz estarmos vivos. Se o nível de “energia vital” está baixo, ficamos mais propensos às doenças ou mais estressados. Se estiver alta, somos mais capazes de nos sentirmos felizes e saudáveis.

Para entender o que é Reiki, devemos entender o significado de seu nome. A palavra Reiki é composta de duas palavras japonesas: Rei – “sabedoria divina ou o poder superior” – e Ki – “energia vital”. Em um tratamento, o paciente sente como se um maravilhoso fluxo de energia positiva passasse através e ao redor de seu corpo.

 

O Reiki trata a pessoa como um todo, incluindo corpo, emoção, mente e espírito, criando muitos efeitos benéficos que incluem relaxamento, um profundo sentimento de paz, segurança e bem-estar. Reiki é um método simples, natural e seguro de cura espiritual e melhora que todos podem usar. Tem se mostrado eficaz na cura de, praticamente, todas as doenças conhecidas e cria efeito benéfico. Pode ser usado também em conjunto com todos os outros tratamentos médicos ou terapêuticos para aliviar efeitos colaterais e promover recuperação mais rápida. Não há nenhuma contraindicação.

Não tem ligação com religião

Apesar de o Reiki ser de natureza espiritual, não é uma religião. Não tem nenhum dogma e não há nada em que se deva acreditar a fim de receber, aprender ou usar Reiki. Na verdade, Reiki não é dependente de crença e vai fluir da mesma forma, crendo em sua força ou não.

O Reiki é de natureza espiritual, mas não religiosa, ele não tem nem ensina nenhum dogma e seus praticantes não precisam acreditar em nada para aprender a usá-lo ou recebê-lo. Em fato, Reiki não depende de crença, fé ou religiosidade para fazer efeito.

Ciência comprova

Para entender os benefícios do Reiki, o psicobiólogo Ricardo Monezi testou o tratamento em camundongos com câncer. “O animal não tem elaboração psicológica, fé, crenças e a empatia pelo tratador. A partir da experimentação com eles, procuramos isolar o efeito placebo”, diz. Para a sua pesquisa na USP, Monezi escolheu o reiki entre todas as práticas de imposição de mãos por tratar-se da única sem conotação religiosa.

 

No experimento, a equipe de pesquisadores dividiu 60 camundongos com tumores em três grupos. O grupo controle não recebeu nenhum tipo de tratamento; o grupo “controle-luva” recebeu imposição com um par de luvas preso a cabos de madeira; e o grupo “impostação” teve o tratamento tradicional sempre pelas mãos da mesma pessoa.

Depois de sacrificados, os animais foram avaliados quanto a sua resposta imunológica, ou seja, a capacidade do organismo de destruir tumores. Os resultados mostraram que, nos animais do grupo “impostação”, os glóbulos brancos e células imunológicas tinham dobrado sua capacidade de reconhecer e destruir as células cancerígenas. “Não sabemos ainda distinguir se a energia que o reiki trabalha é magnética, elétrica ou eletromagnética. Os artigos descrevem-na como ‘energia sutil’, de natureza não esclarecida pela física atual”, diz Monezi.

 

Segundo ele, essa energia produz ondas físicas, que liberam alguns hormônios capazes de ativar as células de defesa do corpo. A conclusão do estudo foi que, como não houve diferenças significativas nos os grupos que não receberam o reiki, as alterações fisiológicas do grupo que passou pelo tratamento não são decorrentes de efeito placebo.

A equipe de Monezi começou agora a analisar os efeitos do Reiki em seres humanos. O estudo ainda não está completo, mas o psicobiólogo adianta que o primeiro grupo de 16 pessoas, apresenta resultados positivos. “Os resultados sugerem uma melhoria, por exemplo, na qualidade de vida e diminuição de sintomas de ansiedade e depressão”. O trabalho faz parte de sua tese de doutorado pela Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp).

17 98160.0251

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram